terça-feira, 29 de setembro de 2015

Cultura do Feijão (Resumo)


A Cultura do Feijão 
1. Importância
O feijão (Phaseolus vulgaris L.) é um dos mais importantes constituintes da dieta do brasileiro, por ser reconhecidamente uma excelente fonte protéica, além de possuir bom conteúdo de carboidratos e de ser rico em ferro.
Cultivado por pequenos e grandes produtores, em diversificados sistemas de produção e em todas as regiões brasileiras, o feijoeiro comum reveste-se de grande importância econômica e social.
Dependendo da cultivar e da temperatura ambiente, pode apresentar ciclos variando de 65 a 250 dias, o que o torna uma cultura apropriada para compor, desde sistemas agrícolas intensivos irrigados, altamente tecnificados, até aqueles com baixo uso tecnológico, principalmente de subsistência. As variações observadas na preferência dos consumidores orientam a pesquisa tecnológica e direcionam a produção e comercialização do produto, pois as regiões brasileiras são bem definidas quanto à preferência do grão de feijoeiro comum consumido. Algumas características como a cor, o tamanho e o brilho do grão, podem determinar o seu consumo, enquanto a cor do halo pode também influenciar na comercialização. Os grãos menores e opacos são mais aceitos que os maiores e que apresentam brilho. A preferência do consumidor norteia a seleção e obtenção de novas cultivares, exigindo destas não apenas boas características agronômicas, mas também valor comercial no varejo.
SLIDESHARE
Prezados amigos: Com esta publicação, damos por encerrados os trabalhos aqui neste blog sobre "A Cultura do Feijão", nosso objetivo é contribuir com uma página para Produtores, Profissionais da área, Estudantes, compilando, agregando, reunindo dados que possam facilitar o estudo e conhecimentos ora em questão, nossos agradecimentos à EMBRAPA, EPAMIG E AOS MESTRES DA AGRICULTURA.
Para melhor entendimento, publicaremos todos os slides disponíveis até o momento, procurando sempre que possível, atualizá-los e se quiserem aprofundar mais sobre algum assunto mais especifico, sugerimos no "Blog" procurar o marcador de "Feijão" e ao clicar, serás direcionados ao conjunto de publicaçôees refentes a esta cultura.
Com relação aos slideshares, para melhor visualização, clique na aba inferior do mesmo, naquele quadradinho com duas setas invertidas para visualizares em tela cheia, se por acaso tiveres interesse em fazer o download do mesmo, clique no titulo logo abaixo do slide, serás direcionado ao servidor, onde há a opção para baixar para seu o "PC".

MEUS SINCEROS AGRADECIMENTOS POR SUA VISITA, SALIENTADO QUE ESTE É UM TRABALHO DE CONTRIBUIÇÃO, SEM NENHUMA VANTAGEM ECONÔMICA, REALIZADO APENAS PELO PRAZER E AO ETERNO AMOR À AGRICULTURA.

ABRAÇOS.

Carlos Pena



















O feijão preto é mais popular no Rio Grande do Sul, Santa Catarina, sul e leste do Paraná, Rio de Janeiro, sudeste de Minas Gerais e sul do Espírito Santo. No restante do país este tipo de grão tem pouco ou quase nenhum valor comercial ou aceitação. Os feijões de grão tipo carioca são aceitos em praticamente todo o Brasil, daí que 53% da área cultivada é semeada com este tipo grão. O feijão mulatinho é mais aceito na Região Nordeste e os tipos roxo e rosinha são mais populares nos Estados de Minas Gerais e Goiás. Centenas de cultivares de feijoeiro comum são cultivados no Brasil e normalmente possuem sementes pequenas, embora possam também ser encontradas, em algumas regiões, tipos de tamanho médio e grande, como os feijões enxofre e jalo e mulatinho com estrias vermelhas (Chita Fina e Bagajó), e branco importado encontrado nos supermercados.
Graças às suas comprovadas propriedades nutritivas e terapêuticas, o feijão é altamente desejável como componentes em dietas de combate à fome e à desnutrição. Ademais, ocorre uma interessante complementação protéica quando o feijão é combinado com cereais, especialmente o arroz, proporcionando, em conjunto, os oito
 aminoácidos essenciais ao nosso organismo. Além do seu conteúdo protéico, o elevado teor de fibra alimentar, com seus reconhecidos efeitos hipocolesterolêmico e hipoglicêmico, aliado às vitaminas (especialmente do complexo B) e aos carboidratos, tornam o seu consumo altamente vantajoso como alimento funcional, representando importante fonte de nutrientes, de energia e atuando na prevenção de distúrbios cardiovasculares e vários tipos de câncer.
PREFERÊNCIA DO CONSUMO DE FEIJÃO NAS REGIÕES BRASILEIRAS & PARTICIPAÇÃO DOS ESTADOS NA PRODUÇÃO (Fonte: Unifeijão)
Preferência de consumo – Fradão e Carioca
PA – participação 48% Destacam-se: Capanema, Bragança, Augusto Corrêa, Vizeu, Pracacupeva, Primavera e Tracateua.
RO – participação 30% Destacam-se: Cacoal, Bueno, Alto Floresta, Vilhena, Colorado do Oeste, Ariquemes e Ji-Paraná.
TO – participação 10% Destacam-se: Natividade, Lagoa do Tocantins, Fátima, Gurupi e Lagoa da Confusão.
CARIOCA MACASSAR 

Preferência de consumo – Feijão-de-corda (macaçar), Mulatinho e Fradinho
BA – participação 38% Destacam-se: Irecê, Mundo Novo, Euclides da Cunha, Cícero Dantas, Canarana, Ibititá, João Dourado, Lapão, Pres. Dutra, Adustina, Rib. do Pombal, Pariparanga, Sítio do Quinto e Barreiras.
CE – participação 19% Destacam -se: Crato, Juazeiro do Norte e Jaguaribe.
PB – participação 13% - Destacam-se: Agreste Paraibano e Região da Mata
PE – participação 8% Destacam-se: Agreste: Lajedo, Surubim, Bom Jardim, Riacho das Almas, Calçados, Jurema, Correntes, Brejo Santo e Mauriti. Sertão: Cabrobó, Belém do São Francisco, Araripina, Petrolina, Serra Talhada, Ouricuri, Cedro, S. J. do Belmonte, Trindade, Belém do São Francisco, Crateus e Novo Horizonte.
CARIOCA BICO DE OURO PRETO
MULATINHOROSINHA FRADINHO BOCA PRETA
FRADINHO MACASSAR MACASSAR
BOCA MARROMPEQUENO GRANDE
6 MACASSAR BRANCO

Preferência de consumo – Rosinha e Carioca
GO – participação 65% Destacam-se: Cristalina, Luziania, Silvania, Formosa, Juçara, Itaberaí, Jataí, Mineiros, Catalão Morrinhos e Rio Verde.
CARIOCAJALO ROXINHA
PRETO FRADINHO FRADINHO
BOCA PRETABOCA MARROM

Preferência de consumo – Preto (RJ), Carioquinha (SP), Jalo (MG).
MG – participação 58% Destacam-se: Unaí, Paracatu, Uberlândia, Patos de Minas, Uberaba, Araxá, Ibiá, São Gotardo, Alfenas, Formiga e Pouso Alegre.
SP – participação 38% Destacam-se: Avaré, Itapeva, Itapetininga, Sorocaba, Andradina, Araçatuba, Pres. Prudente, General Salgado, Dracena, Barretos e São João da Boa Vista.
CARIOCARAJADO NORMAL BOLINHA AMARELO
JALO FRADINHO FRADINHO
BOCA PRETA BOCA MARROM
ADZUKIVINAGRINHO


Preferência de consumo – Preto (RS), Branco (SC), Cavalo (PR). Destaque na produção de preto.
PR – participação 70% Destacam-se: Curitiba, Ponta Grossa, Irati, Guarapuava, União da Vitória, Jacarezinho, Cascavel, Pato Branco e Umuarama.
SC - participação 15% Destacam-se: Chapecó, Palmitos, Campos Novos, Joaçaba, Catanduvas, Jaraguá do Sul, São Miguel do Oeste, Canoinhas e Concórdia.
CARIOCARAJADO NORMAL BOLINHA AMARELO
VINAGRINHO BOLINHA VERMELHO VERMELHO

2. Estatística de Produção
O Brasil é o maior produtor mundial de feijão, e também o maior consumidor desta leguminosa. O feijão é cultivado em praticamente todo o território nacional, porém grande parte da produção está concentrada em apenas 10 estados, PR, MG, BA, SP, GO, SC, RS, CE, PE e PA, responsáveis por praticamente 85% da produção nacional, atingindo anualmente cerca de 3,0 milhões de toneladas, distribuídas em três safras distintas, águas, seca e inverno.
A cultura do feijão tem sido, tradicionalmente, caracterizada como um segmento atrasado do setor agrícola brasileiro. A atividade está, comumente, associada ao pequeno produtor, ao emprego de baixos níveis tecnológicos e a grandes oscilações na produção e na produtividade. Porém, desde a última década, essa situação vem se alterando. A crescente incorporação de áreas irrigadas ao processo produtivo tem permitido a expansão da safra de inverno (terceira safra). Essas alterações eliminaram as entressafras; com isso, os problemas de abastecimento diminuíram, pois houve maior estabilidade na quantidade ofertada e nos preços.
Os dois gêneros de feijões cultivados no Brasil são Phaseulus e o Vigna, sendo que o primeiro é mais cultivado na região Centro Sul (carioca e preto), e o segundo na região Norte/Nordeste (macaçar/caupi).
Apesar da área estar praticamente estagnada nestes últimos anos, a produção tem crescido, devido a introdução de variedades mais produtivas e mais resistentes, e também pela inserção do maior número de produtores usando tecnologia, embora
grande parte da atividade esteja nas mãos dos pequenos produtores, pouco tecnificados, principalmente na região Nordeste, responsável por 30% da produção nacional.
Segundo estimativas, mais da metade da produção brasileira é constituída da variedade carioca, preferida pelos consumidores da região Centro Sul, seguida pelo feijão preto e em pequenas quantidades “outras variedades” que são os feijões, vermelho, canário, jalo, rajado e rosinha, atendendo alguns nichos no mercado interno e externo.

12 Área, Produção e Rendimento do Feijão no Brasil e em Goiás
Área colhida e Produção (%) nas três safras (2004/2005)
Área plantada de feijão (mil hectares)
Produto 2000/01 2001/02 2002/03 2003/04 2004/05 2005/06
Feijão (total) 3.879 4.270 4.379 4.287 3.948 4.035 Feijão (1ª safra) 1.285 1.417 1.421 1.371 1.160 1.247 Feijão (2ª safra) 1.861 2.028 2.094 2.024 1.855 1.855 Feijão (3ª safra) 733 825 864 892 933 933
Produtividade média de grãos
Produto 2000/01 2001/02 2002/03 2003/04 2004/05 2005/06
Feijão (total) 668 699 732 695 771 808 Feijão (1ª safra) 899 919 873 901 949 1.141 Feijão (2ª safra) 465 507 595 512 531 545 Feijão (3ª safra) 781 792 832 793 1.028 891

FEIJÃO TIPO 1 EXTRA – Mercado Atacadista de São Paulo (Saca 60kg em R$)
Ano 2006 Carioca Extra/Novo Preto Extra/Novo
Janeiro 78,8 84,24 Fevereiro 100,13 81,2
Março 104,91 79,49 Abril 103,41 65,45 Maio 81,19 62,6 Junho 72,86 57,6
Grandes Culturas – Professor Fábio de Lima Gurgel
3. Origem e domesticação
Os feijões estão entre os alimentos mais antigos, remontando aos primeiros registros da história da humanidade. Eram cultivados no antigo Egito e na Grécia, sendo também cultuados como símbolo da vida. Os antigos romanos usavam extensivamente feijões nas suas festas gastronômicas, utilizando-os até mesmo como pagamento de apostas. Foram encontradas referências aos feijões na Idade do Bronze, na Suíça, e entre os hebraicos, cerca de 1.0 a.C. As ruínas da antiga Tróia revelam evidências de que os feijões eram o prato favorito dos guerreiros troianos.
A maioria dos historiadores atribui a disseminação dos feijões no mundo em decorrência das guerras, uma vez que esse alimento fazia parte essencial da dieta dos guerreiros em marcha. Os grandes exploradores ajudaram a difundir o uso e o cultivo de feijão para as mais remotas regiões do planeta.
O gênero Phaseolus originou-se nas Américas e possui cerca de 5 espécies, das quais cinco são cultivadas: Phaseolus vulgaris L., Phaseolus lunatus L., Phaseolus coccineus L., Phaseolus acutifolius A. Gray var. latifolius Freeman e Phaseolus polyanthus Greenman. Entre elas, o feijão-comum, Phaseolus vulgaris, é o mais importante, por ser a espécie mais antiga e também a mais utilizada nos cinco continentes.
Atualmente, aceita-se que o feijão-comum teve dois centros principais de domesticação e um terceiro menor de expressão. O primeiro localiza-se na região central das Américas, principalmente no México, e é onde se originou a maioria dos cultivares de grãos pequenos, como o ‘Carioca’. O segundo localiza-se no sul dos Andes, principalmente no norte da Argentina e no sul do Peru, de onde se originaram os cultivares de sementes grandes, semelhantes ao cultivar Jalo, bastante conhecido em Minas Gerais. A terceira área de domesticação, provavelmente intermediária entre as duas primeiras, situa-se na Colômbia, o que tem sido possível afirmar depois de vários estudos feitos com a faseolina, a principal proteína de reserva da semente do feijão. Em relação ao tipo de faseolina, os feijões de origem mexicana, comumente conhecidos como mesoamericanos, possuem principalmente faseolina do tipo S. Os provenientes do sul dos Andes, especialmente os feijões selvagens, possuem a faseolina do tipo T. Já os feijões de origem colombiana possuem, além das faseolinas S e T, também os tipos B. C e H, sendo as três últimas as únicas observadas nas espécies selvagens da região.
4. Botânica
O feijão-comum classifica-se da seguinte maneira:
Reino: Vegetal Ramo: Embryophytae syphonogamae
Sub-ramo: Angiospermae Classe: Dicotyledoneae Subclasse: Archichlamydae Ordem: Rosales Família: Leguminosae Subfamília: Papilionoideae Tribo: Phaseolineae Gênero: Phaseolus L.
Espécie: Phaseolus vulgaris L.
Em razão de o feijoeiro-comum ser cultivado em uma grande diversidade de ambientes e em muitos países de todo o mundo, ele é uma das espécies com maior variabilidade de caracteres agronômicos, como hábito de crescimento, tamanho e cor de grãos e ciclo. Por essa razão, uma classificação de grande utilidade, principalmente para orientar os cruzamentos dos diferentes cultivares, é a que considera um conjunto de caracteres morfológicos, adaptativos, evolucionários e até mesmo marcadores moleculares. Dessa maneira, o feijão dos principais centros de domesticação foram agrupados em seis raças ou doze grupos gênicos.
A descrição botânica será com base na morfologia da planta do feijão-comum, que serve de base para a classificação de cultivares e, também, para a definição do perfil de novos cultivares a serem criados pelo melhoramento.
Uma planta de feijão é composta de partes aparentemente distintas, os órgãos.
No solo, há um sistema radicular e, acima do solo, um caule que porta as folhas e os ramos. Nas plantas mais velhas, pode-se ter uma visão detalhada das suas partes: raiz, caule ou haste principal, folhas e hastes axilares, inflorescência, fruto e semente.
Pode-se iniciar a identificação das partes da planta a partir do exame de uma semente pré-germinada em água ou areia umedecida. Dessa semente, pode-se remover com facilidade a sua película externa, o tegumento. A parte que resta é o embrião, que é constituído em sua maior parte por dois cotilédones, que funcionam como reserva de
alimento para os primeiros dias após a germinação da semente. Os dois cotilédones estão presos a um eixo curto, cilíndrico e mais ou menos curvo do embrião. A parte do eixo que se situa acima do ponto de ligação dos cotilédones é o epicótilo e a parte de baixo, hipocótilo. Na extremidade superior do epicótilo, encontram-se duas folhas em estádio embrionário, chamado de plúmulas. Durante a germinação da semente, a extremidade inferior do hipocótilo transforma-se em radícula, que cresce para o interior do solo e forma a raiz principal. A extremidade superior do hipocótilo e o epicótilo transformam-se no caulículo, que origina o caule, o qual se desenvolve acima do solo.
Raças e grupos-gênicos do feijão-comum cultivado.
A raiz principal ou primária cresce a partir da radícula, que tem origem no embrião. Logo em seguida, a partir da raiz primária, surgem as secundárias, situadas inicialmente próximas ao colo. Com o desenvolvimento do sistema radicular, aparecem raízes secundárias abaixo das primárias e, também, raízes terciárias a partir das secundárias. Além disso, os pêlos absorventes estão sempre presentes nas proximidades das regiões de crescimento.
A origem das ramificações radiculares (raízes secundárias, terciárias etc.) é um processo endógeno, isto é, elas nascem a partir de um tecido chamado periciclo. Em geral, a raiz primária possui maior diâmetro do que as demais, especialmente na fase jovem da planta.
A estrutura primária da raiz é simples e pode ser observada na parte tenra da raiz primária, apresentando de fora para dentro as seguintes partes: epiderme, com pêlos radiculares absorventes; parênquima cortical; endoderme, com estrias de Caspary; periciclo e tecidos vasculares (xilema e floema). O xilema apresenta-se, no seu conjunto, em forma de estrela com quatro pontas (raiz tetrarca), entra as quais situam-se os grupos de floema e grupos de fibras. À medida que o crescimento secundário ocorre, o câmbio produz um corpo cilíndrico de xilema, no centro da raiz, e um anel de floema, na periferia. Neste caso, a epiderme desaparece e é substituída por uma periderme.
Como em muitas leguminosas, na raiz do feijão existem nódulos com bactérias
(Rhizobium spp.), quase esféricos e de tamanho variável. As bactérias que os produzem penetram pela extremidade de um pêlo absorvente, reproduzem-se abundantemente e atingem o periciclo, onde é formada uma massa que se avoluma até constituir o nódulo. As bactérias que vivem nas células parenquimáticas dos nódulos recebem carboidratos da planta e a suprem de nitrogênio. Esta relação de simbiose permanece até a degenerescência do nódulo ou morte da planta.
Em relação à disposição do sistema radicular no solo, ele se assemelha ao sistema fasciculado, porque a raiz primária não é uma raiz pivotante típica, além de a grande maioria das raízes situar-se nos primeiros 20 cm de solo, sendo de 62% a 87% nos 10 cm superficiais. Em conseqüência, a planta explora essencialmente a camada superficial do solo, sendo, por isso, muito sensível à falta de umidade. Portanto, é importante a adoção de estratégias adequadas na condução da cultura, que estimulem o maior desenvolvimento radicular. Dentre estas, no preparo do solo, a realização de arações profundas e, quando necessário, calagens freqüentes. Na semeadura, o adubo deve ser colocado ligeiramente abaixo da semente para estimular o aprofundamento das raízes, a fixação mais firme da planta no solo e a exploração das camadas mais profundas. Medidas que assegurem maior disponibilidade de água são também necessárias, como menor intervalo entre os turnos de rega nas culturas irrigadas e, nas não-irrigadas, em períodos com risco de falta de água, escolha de áreas com teor de matéria orgânica. O controle das plantas daninhas é outra prática que deve ser realizada de forma a evitar grandes danos ao sistema radicular superficial.

18 Germinação de uma semente de Feijão
Morfologia de uma planta de feijão-preto Feijão-vagem
O caule é herbáceo, classificado morfologicamente como haste, e apresenta, na planta adulta, secção transversal cilíndrica e levemente angulosa (aristado). Ele é constituído de nós e internódios intercalados, de número variável e dependente do hábito de crescimento da planta.
A disposição das folhas no caule é chamada de filotaxia. Cada folha origina-se de um nó, e é geralmente alterna. Nas axilas das folhas nascem as gemas, que podem ser vegetativas, florais ou mistas, que originam, respectivamente, ramos, inflorescências e ambas.
O caule apresenta também pilosidade e colorações que variam em intensidade de acordo com a posição, o estádio de desenvolvimento da planta, o cultivar e as condições ambientais.
O feijão apresenta o fenômeno de heterofilia, pois forma dois tipos de folhas: simples e compostas. As simples são duas e são as primeiras (primárias) a serem formadas. As folhas compostas variam de forma e tamanho, de acordo com o cultivar e com os fatores de ambiente.
O pecíolo assemelha-se a um caule, devido à sua forma alongada, e é canaliculado na fase superior. A base do pecíolo apresenta-se engrossada, formando o pulvino, que constitui um tecido motor relacionado com os movimentos nictinásticos das folhas, para promover melhor absorção da luz solar. Nessa estrutura, o sistema vascular está concentrado em sua porção central, havendo em torno um grande desenvolvimento de parênquima, que, devido a mudanças de turgescência, provoca os movimentos.
As flores do feijão agrupam-se em rácimos, que nascem nas axilas da folhas, a partir de gemas floríferas e, mais raramente, de gemas mistas. As estruturas da flor do feijoeiro-comum estão apresentadas na figura a seguir.
A morfologia floral de Phaseolus vulgaris L. favorece o mecanismo de autopolinização. As anteras estão situadas no mesmo nível de estigma e envolvidas completamente pela quilha. Quando ocorre a deiscência das anteras (antese), os grãos de pólen caem diretamente sobre o estigma.
O fruto é um legume (vagem), isto é, um fruto de um só carpelo, seco, deiscente, zigomorfo (vagem dividida por um plano em duas metades laterais simétricas), geralmente alongado e comprido, com as sementes em uma fileira central.
A semente não possui albume, as reservas estão concentradas nos cotilédones; apresenta formas variadas, desde esférica a quase cilíndrica. A coloração externa é
muito variada, do branco ao negro, passando por quase todas as cores, e pode ser uniforme, pintada, listrada ou manchada.
É constituída por dois cotilédones, formados de parênquima com alto conteúdo amilífero e protéico. O feijão constitui um dos poucos alimentos ricos tanto em carboidratos (60%) como em proteínas (2%); além disso, contém lipídeos e sais minerais. A alta concentração desses componentes deve-se principalmente ao baixo conteúdo de água (10% a 15%).
Estruturas da flor do feijão-comum
A- flor completa, B- bractéolas, C- cálice, D- estandarte, E- asa, F- quilha, G- androceu, H- gineceu

O hábito de crescimento é considerado um dos caracteres mais importantes, pois ele é essencial na descrição dos cultivares, na escolha dos mais adequados para o plantio nas mais variadas condições de cultura e, também, na obtenção de novos cultivares pelo melhoramento.
Na classificação dos hábitos de crescimento do feijão, um dos caracteres mais importantes é o hábito de florescimento das plantas, que pode ser determinado ou indeterminado. As plantas de hábito determinado são as que desenvolvem uma inflorescência no ápice da haste principal e das hastes laterais. Geralmente, a primeira flor se abre na inflorescência apical da haste principal, e, posteriormente, abrem-se as outras flores das inflorescências das hastes laterais (Florescimento ocorre do ápice da planta para a base). Nas plantas de hábito indeterminado, os meristemas apicais da haste principal e das laterais continuam vegetativos durante o florescimento. Nessas plantas, normalmente a primeira flor abre-se em inflorescência posicionada na base e, em seguida, abrem-se as flores nas posições superiores (Florescimento da base para o ápice).
A classificação dos hábitos de crescimento do feijão considera, além dos hábitos determinado e indeterminado, também o número de nós e o comprimento dos internódios ao longo da haste principal, a intensidade de ramificação lateral e a habilidade trepadora da planta. Com base nesses caracteres, os hábitos de crescimento dos cultivares são classificados em tipos Ia, Ib, IIa, IIb, IIIa, IIIb, IVa e IVb.
Principais Tipos de Hábito de Crescimento no Feijoeiro
O tipo I inclui os cultivares de hábito de crescimento determinado e arbustivo, principalmente porque eles possuem os menores números e os mais curtos internódios dentre todos os cultivares (Ia). Aqueles com maior número e com internódios mais longos tendem a acamar (Ib). Geralmente florescem e amadurecem durante um período menor do que os outros cultivares, além de serem mais precoces na maioria dos casos.
O tipo IIa corresponde às plantas eretas e arbustivas, enquanto o IIb às semitrepadoras. Evidentemente, a habilidade trepadora sofre grande influência das condições ambientais, como luminosidade, umidade e fertilidade do solo. Os cultivares do tipo I possuem geralmente mais de doze nós na haste principal e são chamados de “guia” ou ramo curto. O número de hastes laterais é ligeiramente maior do que o do tipo I.
Os cultivares do tipo IIIa são prostrados ou semitrepadores, com tendência arbustiva em ambientes onde as plantas desenvolvem-se menos. Já o tipo IIIb são plantas prostradas ou trepadoras e possuem menor número de hastes laterais do que o tipo Ia. As hastes das plantas do tipo I são mais desenvolvidas do que as das plantas do tipo I, porque elas possuem maior número de nós e o comprimento médio dos internódios é ligeiramente maior.
O hábito de crescimento IV é o das plantas com grande capacidade trepadora. A haste principal possui entre 20 e 30 nós e pode alcançar mais de dois metros de comprimento. Nos cultivares desse tipo, o período de florescimento é mais amplo, podendo-se observar em uma planta desde flores abrindo até vagens já maduras. Com base no modo de distribuição das vagens na planta, os cultivares são classificados em tipo IVa (vagens distribuídas por toda a planta) e IVb (maior concentração de vagens na parte superior da planta). Os cultivares do tipo IV necessitam de tutoramento para expressarem a máxima produtividade.
A escala de desenvolvimento da planta de feijão divide o ciclo biológico nas fases vegetativa (V0, V1, V2, V3 e V4) e reprodutiva (R5, R6, R7, R8 e R9). Quando a semente é colocada em condições de germinar, começa o período vegetativo, que continua até o aparecimento do primeiro botão floral, nos cultivares de hábito de crescimento determinado, ou da primeira inflorescência, nos cultivares de hábito indeterminado.

23 Etapas de desenvolvimento de uma planta de feijão
A fase vegetativa corresponde às etapas V0 até V4 e a fase reprodutivas, às etapas
R5 até R9. Descrição das Fases de desenvolvimento do feijoeiro
Fase Descrição
V0 Semeadura à germinação, cotilédones atingem a superfície do solo, 5 dias
V1 Emergência, 2 dias V2 50% das plantas com as folhas primárias completamente abertas, 4 dias V3 50% das plantas com as folhas trifoliadas abertas, 5 a 9 dias
V4 50% das plantas com a terceira folha trifoliada completamente aberta, 7 a 15 dias
R5 Início do florescimento, 10 dias
R6 Abertura da primeira flor e termina com a queda da corola, expondo a primeira vagem, 4 a 5 dias
R7 50% das plantas encontram-se com a primeira vagem exposta, crescimento longitudinal da primeira vagem, até atingir o seu comprimento máximo, 8 dias
Enchimento das vagens, crescimento mais pronunciado das sementes, até atingir seu tamanho final, 18 (hábito I e I), 2 a 24 (hábito II e IV) dias, 50% das plantas com as vagens no comprimento máximo
R9 Fase de maturação: descoloração das vagens, amarelecimento e queda das folhas, principalmente as mais velhas, até a seca total da planta
5. Cultivares
O feijoeiro comum é cultivado em todas as regiões do país apresentando grande importância econômica e social. As regiões brasileiras são bem definidas quanto à preferência do tipo de grão de feijão comum consumido. Algumas características como a cor, o tamanho e o brilho podem determinar o consumo ou não do grão, enquanto a cor do halo pode também influenciar na comercialização. O feijão apresenta componentes e características que tornam seu consumo vantajoso do ponto de vista nutricional. Entre eles citam-se o conteúdo protéico, o teor elevado de lisina, a fibra alimentar, alto conteúdo de carboidratos complexos e a presença de vitaminas do complexo B.
As doenças encontram-se entre os fatores mais importantes associados à baixa produtividade do feijoeiro comum no Brasil, podendo reduzir consideravelmente a produção desta cultura. Dentre as estratégias do manejo integrado de doenças, a resistência genética é considerada uma importante alternativa, de fácil adoção pelos agricultores, por ser ecologicamente segura, diminuindo, ou até mesmo evitando, o uso indiscriminado de defensivos agrícolas e por contribuir para a manutenção da qualidade de vida.
Além do tipo comercial de grão e da resistência a doenças, os programas de melhoramento do feijoeiro têm sido caracterizados por esforços na obtenção de planta mais eretas, resistentes ao acamamento, associadas à eficiência em produzir grande quantidade de grãos por unidade de área, durante o seu ciclo.
De 1981 a 1997, durante a vigência do Sistema Brasileiro de Avaliação e
Recomendação de Cultivares, instituído pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento - MAPA, a rede de avaliação de linhagens de feijão foi conduzida pelas instituições do Sistema Nacional de Pesquisa Agropecuária - SNPA, universidades, setor cooperativo e iniciativa privada. Estas instituições empreendiam um programa integrado e dinâmico de avaliação de linhagens e cultivares, dentro das Comissões Técnicas Regionais de Feijão - CTs Feijão, para as regiões: Sul, Sudeste/Centro-Oeste e Norte/Nordeste. Nestes 16 anos, as CTs Feijão, por meio de reuniões anuais, discutiram os resultados da rede de avaliação de linhagens e lançaram 34 novas cultivares de feijão, homologadas pelas Comissões Regionais de Avaliação e Recomendação de Cultivares CRCs/MA. Destas, 20 foram desenvolvidas pelo programa melhoramento genético do feijoeiro comum da Embrapa. O mercado geográfico de recomendação destas cultivares é diversificado por estados da federação, e levando-se em consideração as vantagens comparativas que apresentam e que as levaram a serem recomendadas, podem ser citadas: Macanudo, Minuano, Macotaço, Ouro Negro, Diamante Negro, Xamego e Guapo Brilhante, do grupo preto; Aporé, Pérola, Rudá e Princesa, do grupo comercial carioca; Safira do grupo roxo; Corrente e Bambuí do grupo mulatinho.
Com a lei número 9.456 de 25/4/97, que trata da Proteção de Cultivares e o
Decreto no 2.366 de 5/1/97 que a regulamentou, o cenário acima descrito sofreu algumas mudanças, onde as relações institucionais, que tinham caráter cooperativo, se deslocaram para um ambiente de "competição", agora embasadas com contratos e convênios de cooperação técnica acompanhados de Planos Anuais de Trabalho. Foram extintas as CRCs e instituído o Registro Nacional de Cultivares onde a indicação de uma nova cultivar é de exclusiva responsabilidade do obtentor. Neste novo cenário, já há 1 cultivares protegidas sendo uma, a BRS Valente, de grão preto, desenvolvida pelo programa melhoramento genético do feijoeiro comum da Embrapa. A Portaria no 527 também determinou que as cultivares até então recomendadas e disponíveis no mercado ficassem, automaticamente, inscritas no Registro Nacional de Cultivares.
Mesmo com a Lei de Proteção de Cultivares e com o Registro Nacional de
Cultivares e sua publicação pelo MAPA, a rede oficial pública de avaliação de cultivares de feijão continua com o objetivo de informar, de forma transparente, a performance das novas cultivares nas diversas regiões brasileiras, esperando, com isso, contribuir para que a assistência técnica e o agricultor possam escolher a melhor cultivar para as suas condições.
6. Clima, Solo, Adubação e Calagem
Dentre os elementos climáticos que mais influenciam na produção de feijão salientam-se a temperatura, a precipitação pluvial e a radiação solar. Em relação ao fotoperíodo, a planta de feijão pode ser considerada fotoneutra.
A temperatura é o elemento climático que mais exerce influência sobre a porcentagem de vingamento de vagens e, de maneira geral, faz referência sobre o efeito prejudicial das altas temperaturas sobre o florescimento e a frutificação do feijoeiro. Temperaturas baixas reduzem os rendimentos de feijão, por provocar abortamento de flores, que por sua vez pode, também, resultar em falhas nos órgãos reprodutores masculino e feminino. Alta temperatura acompanhada de baixa umidade relativa do ar e ventos fortes têm maior influência no pegamento e retenção de vagens. A temperatura média ótima durante o ciclo cultural é de 18 a 24oC, sendo 21oC a ideal.
A diversidade climática, presente em todo território brasileiro, faz com que ocorram temperaturas abaixo de 0°C no Sul durante o inverno, contrastando com altas temperaturas e umidade relativa do ar elevada (>80%) nos estados localizados na região Norte. Estas condições inviabilizam o cultivo de feijão na Região Sul na época de inverno, da mesma forma que o limitam também no Norte, devido ao maior risco de ocorrência de doenças.
O feijão é mais suscetível à deficiência hídrica durante a floração e o estádio inicial de formação das vagens. O período crítico se situa 15 dias antes da floração. Ocorrendo déficit hídrico, haverá queda no rendimento devido à redução do número de vagens por planta e, em menor escala, à diminuição do número de sementes por vagem.
Devido à irregularidade na distribuição pluvial, o risco climático, que é caracterizado pela quantidade de água no solo disponível para as culturas, é acentuado em função da diminuição freqüente na quantidade de água para as culturas. Muitas vezes, esta irregularidade pluvial é traduzida por períodos sem chuva que duram de 5 a 35 dias, principalmente no cerrados brasileiro, podendo provocar redução na produção de grãos. Entretanto, acredita-se que o efeito negativo causado pela diminuição de água pode ser minimizado conhecendo-se as características pluviais de cada região e o comportamento das culturas em suas distintas fases fenológicas, ou seja, semeando naqueles períodos em que a probabilidade de diminuição da precipitação pluvial é menor durante, principalmente, a fase de florescimento-enchimento de grãos.
A necessidade de água para a máxima produção pode variar dependendo do clima, do solo, da época de semeadura, do ciclo cultural, do cultivar e de outros fatores, mas de maneira geral, a cultura do feijão é mais bem sucedida quando as precipitações, durante o ciclo, situam-se entre 300 e 400 m.
As simulações do balanço hídrico associadas a técnicas de geoprocessamento, permitiram identificar no tempo e no espaço, as melhores datas de semeadura do feijoeiro nas diferentes regiões do Brasil. Com chance de perda de dois anos em dez, ou seja, 80% de chances de sucesso, evitando-se o veranico na fase de enchimento de grãos. As variáveis a serem consideradas por ordem de importância são: retenção de água no solo e duração do ciclo. Quanto maior a capacidade de armazenamento de água no solo, associado ao ciclo mais curto, menores serão as perdas. O risco de perda se acentua quanto mais tarde for à semeadura, independente do solo e do ciclo da cultura. De forma geral, é possível concluir que, para semeaduras realizadas após 15 de fevereiro, o risco climático é bastante acentuado para a cultura do feijoeiro, exceto em algumas localidades do Estado de Mato Grosso, o qual apresenta uma distribuição pluvial bastante regular.
O solo é um mineral não consolidado na superfície da terra, influenciado por fatores genéticos e ambientais, como material de origem, topografia, clima (temperatura e umidade) e microrganismos, que se encarregaram de formar o solo, no decorrer de um certo tempo, e é sempre diferente, nas suas propriedades e características físicas, químicas, biológicas e morfológicas do material de origem. O manejo apropriado está relacionado com sua classificação, que destaca suas características gerais ou específicas. Os grupos amplos são feitos com base em características gerais e as subdivisões com base em diferenças em propriedades específicas. As propriedades morfológicas, físicas, químicas e mineralógicas são critérios distintivos.
A maioria dos solos de cerrado onde o feijoeiro é cultivado são Oxissolos e possuem baixa fertilidade. Os valores médios das propriedades químicas dos solos de cerrado em estado natural são: pH 5,2; P 2 mg kg-1, K < 50 mg kg-1; Ca < 1,5 cmolc kg- 1; Mg < 1 cmolc kg-1, Zn e Cu em torno de 1 mg kg-1, matéria orgânica na faixa de 15 a 25 g kg-1 e saturação por bases < 25%.
Baseado nestes dados, pode-se concluir que os solos de cerrado são ácidos e de baixa fertilidade. Portanto, o manejo da fertilidade é um dos aspectos mais importante na produção das culturas neste solos.
De acordo com a maioria dos resultados disponíveis, o feijoeiro apresenta máxima produtividade numa faixa de pH de 5,5 a 6,5. Quanto menor o pH do solo, maior é o efeito de íons tóxicos (Al+++, Mn++ e H+) que limitam o crescimento radicular, o desenvolvimento da parte aérea e a produção, menor a disponibilidade de nutrientes para as plantas e menor a fixação simbiótica de nitrogênio, resultando em menor crescimento e menor rendimento de grãos.
Devido à sensibilidade do feijoeiro, solos com acidez excessiva poderão ser utilizados desde que a calagem possa ser realizada com antecedência de pelo menos 30 dias em relação à semeadura.
Solos com elevado teor de sais podem trazer sérios inconvenientes à implantação de lavouras de feijão, uma vez que o feijoeiro é uma das espécies mais sensíveis a elevados teores de sódio trocável e também à alta condutividade elétrica no solo. Solos com condutividade elétrica superior a 0,8 mmho/cm ou saturação de sódio acima de 4% já reduzem o desenvolvimento e a produção do feijoeiro.
A correção da acidez do solo e a adubação das culturas, são tidas como práticas comprovadamente indispensáveis ao manejo dos solos. Entre as tecnologias indicadas na produção de feijão, a calagem e a adubação nitrogenada são as que têm gerado maior número de questionamentos. Quanto à calagem, as dúvidas mais freqüentes são em relação à eficiência de sua aplicação em superfície.
Em relação ao nitrogênio, as dúvidas vão desde reações e mecanismos controladores da disponibilidade do N no solo, características e reações no solo das diferentes fontes de nitrogênio, até à prática da adubação, quanto a fontes, doses, métodos de aplicação, época mais adequada de aplicação durante o ciclo da cultura e a necessidade de seu parcelamento e, sobretudo, quanto aos seus aspectos econômicos. Estas técnicas de manejo de adubação, ainda são a melhor estratégia utilizada para maximizar a eficiência de uso do nitrogênio e permitir aos produtores obterem máximo retorno econômico do uso de fertilizantes.
Da mesma forma que existem muitas dúvidas sobre adubação das culturas e da correção da acidez do solo, existem, também, muitos problemas práticos relacionados com transformação no solo dos resíduos orgânicos vegetais e com a aplicação de micronutrientes. A prática da adubação depende de vários fatores, os quais devem ser previamente analisados no sentido de aconselhar aos agricultores a praticarem uma adubação mais adequada, quanto aos aspectos agronômico (que obtenha maior eficiência dos fertilizantes) e econômico (que resulte em maior renda líquida ao produtor).
Uma recomendação de adubação que atenda a estes princípios deve ser fundamentada nos seguintes aspectos:
1. Em resultados de análises de solo complementada pela análise de planta; 2. Numa análise do histórico da área; 3. No conhecimento agronômico da cultura; 4. No comportamento ou tipo da cultivar; 5. No comportamento dos fertilizantes no solo; 6. Na disponibilidade de capital do agricultor para aquisição de fertilizantes; e 7. Na expectativa de produtividade. Portanto, a recomendação de adubação para o feijoeiro, bem como para qualquer outra cultura, depende da análise cuidadosa
de todos esses fatores, ressaltando que não existe uma regra geral a seguir nas recomendações de adubação.
Quanto à cultura do feijoeiro, a quantidade de fertilizantes varia de acordo com a época de plantio, quantidade e tipo de resíduo deixado na superfície do solo pela cultura anterior, e com a expectativa de rendimento. Geralmente, varia de 60 a 150 kg ha-1 de nitrogênio, sendo recomendado a aplicação em duas vezes; de 60 a 120 kg ha-1 de P2O5, dependendo, evidentemente, do teor disponível de fósforo no solo, das condições de risco e da expectativa de rendimento de grãos e de 30 a 90 kg ha-1 de K2O, e a fonte de potássio, na maioria da vezes, é o cloreto de potássio (60% de K2O).
Pesquisas realizadas com feijão irrigado na Embrapa Arroz e Feijão, quanto à calagem e à adubação de plantio, evidenciaram aumentos de até 54% na produtividade do feijoeiro (cultivar Aporé), decorrentes da calagem e de uma dose econômica de adubação N-P2O5-K2O, no plantio, de aproximadamente 400 kg ha-1 do formulado 4-30- 16.
A adubação fosfatada corretiva é indicada para solos argilosos com teores de fósforo abaixo de 1,0 a 2,0 mg dm-3 e arenosos com teores abaixo de 6 a 10 mg dm-3. Esta recomendação serve tanto para áreas de cultivo convencional (com revolvimento do solo), como para as áreas onde se pretende iniciar com o sistema plantio direto, devendo ressaltar que o fertilizante deverá ser incorporado ao solo. A necessidade para aplicação a lanço, varia de 120 a 240 kg ha-1 de P2O5, com base no teor total, no primeiro ano de cultivo, dependendo do teor inicial de fósforo e da textura do solo.
Neste caso, as fontes de fósforo mais indicadas são, entre outras, o termofosfato yoorin
A má colocação do fertilizante no solo pode diminuir-lhe o efeito ou mesmo anulá-lo. Deve-se evitar o contato direto dos adubos com as sementes. Os danos causados às sementes em germinação pelos fosfatos, sulfetos, cloretos e nitratos crescem nessa ordem. Os danos são mais acentuados nos solos arenosos que nos argilosos e orgânicos. As condições climáticas também influenciam: os prejuízos são piores em clima quente ou seco do que em clima ameno ou úmido. Há também
Grandes Culturas – Professor Fábio de Lima Gurgel diferença de sensibilidade entre as diversas culturas, estando o feijão entre as mais facilmente prejudicadas.
A quantidade de elementos minerais encontrados nas diferentes partes da planta, por ocasião da colheita é a seguinte: o N e o K são absorvidos em maior quantidade, seguidos pelo Ca, Mg, S e P. O N, P, K e S acumulam-se principalmente nas sementes, o Ca nas folhas e o Mg nas hastes.
Uma produtividade de 3000 kg/ha de grãos permite a exportação de, aproximadamente, 100 kg/ha de N, 10 kg/ha de P, 50 kg/ha de K, 10 kg/ha de Ca, 10 kg/ha de Mg e 15 kg/ha de S. Deve-se lembrar que parte do N utilizado pelo feijoeiro provém da fixação biológica.
Isso comprova que, se os restos culturais não são devolvidos às terras de cultivo, a cultura do feijão adquire a característica de empobrecedora do solo.
7. Fixação Biológica de Nitrogênio
A cultura do feijoeiro (Phaseolus vulgaris L.) no Brasil está presente na maioria dos sistemas de produção, principalmente naqueles vinculados à agricultura familiar. A inoculação de bactérias do grupo dos rizóbios, capazes de fixar o nitrogênio atmosférico e fornecê-lo à planta, é uma alternativa que pode substituir, ainda que parcialmente, a adubação nitrogenada, resultando em benefícios ao pequeno produtor. Resultados indicam que a cultura do feijoeiro, em condições de campo, pode se beneficiar do processo da fixação biológica de nitrogênio (FBN) alcançando níveis de produtividade de até 2.500 kg/ha. O inoculante brasileiro, durante muito tempo, foi produzido utilizando-se bactérias que eram obtidas no exterior e testadas pelas instituições de pesquisa no Brasil. Com a evolução destes estudos, revelou-se a inequação destas estirpes aos solos tropicais, uma vez que estão sujeitas a um elevado grau de instabilidade genética, comprometendo sua capacidade de fixar nitrogênio. Este fato pode explicar, pelo menos parcialmente, a decepção de muitos agricultores com o uso do inoculante nesta cultura até bem recentemente. Atualmente, o inoculante comercial para o feijoeiro no Brasil é produzido com uma espécie de rizóbio adaptada aos solos tropicais, o Rhizobium tropici, resistente a altas temperaturas, acidez do solo e altamente competitiva, ou seja, em condições de cultivo favoráveis é capaz de formar a maioria dos nódulos da planta, predominando sobre a população de rizóbio presente no solo. A eficiência da FBN, entretanto, depende das condições fisiológicas da planta hospedeira que fornece a energia necessária para que a bactéria possa realizar eficientemente este processo. Além da calagem, é importante proceder a correção do solo com os demais nutrientes. Ressalta-se a importância do fornecimento de fósforo, deficiente na maioria dos solos tropicais, o qual tem efeito marcante sobre a atividade da nitrogenase, devido ao alto dispêndio energético promovido pela atividade de FBN. O molibdênio é um micronutriente que tem efeito marcante sobre a eficiência da simbiose, sendo um constituinte estrutural da enzima nitrogenase, que, dentro do nódulo, executa a atividade de FBN. A aplicação foliar de molibdênio promove aumentos de produtividade em feijoeiro inoculado, sendo que há vários produtos disponíveis no mercado para esta finalidade. Apesar de o feijoeiro ser uma planta com grande capacidade de aproveitamento do nitrogênio disponível no solo, a aplicação de adubos nitrogenados tende a afetar negativamente este processo. Solos com maiores teores de matéria orgânica, que liberam nitrogênio lentamente, podem beneficiar a planta do feijoeiro sem, contudo, reduzir a sua capacidade de fixação. Dentre os fatores ambientais mais importantes para o processo de fixação biológica de nitrogênio, a ocorrência de deficiências hídricas, ou seja, seca durante o ciclo de cultivo tem efeito negativo em diferentes etapas do processo de nodulação e na atividade nodular, além de afetar a sobrevivência do rizóbio no solo. A ocorrência de altas temperaturas afeta, também, a sobrevivência do rizóbio no solo, o processo de infecção, a formação dos nódulos e ainda a atividade de FBN. O procedimento de inoculação das sementes com rizóbio é simples, bastando misturar as sementes com o inoculante de rizóbio para o feijão. Este inoculante é, geralmente, vendido em embalagens contendo a bactéria em veículo turfoso, o mais recomendado atualmente pela pesquisa. Alguns cuidados devem ser tomados por se tratar de organismos vivos e sensíveis ao calor. Deste modo, recomendase que a inoculação seja feita à sombra, preferencialmente nas horas mais frescas do dia, utilizando uma solução açucarada a 10% como adesivo, ou outros produtos como goma arábica a 20%. Mistura-se 200 a 300 ml desta solução ao inoculante (500 g) até formar uma pasta homogênea. Em seguida, mistura-se esta pasta a 50 kg de sementes de feijão até que fiquem totalmente recobertas com uma camada uniforme de inoculante. Deixar as sementes inoculadas secando à sombra, em local fresco e arejado, realizando o plantio até, no máximo, dois dias após. Caso seja inevitável o uso de agrotóxicos e micronutrientes, deve-se tratar primeiro as sementes com estes produtos, deixar secar e só então proceder a inoculação. Verificar a compatibilidade do produto com o
inoculante antes da sua utilização. Alguns produtos são extremamente tóxicos ao rizóbio, especialmente fungicidas, devendo-se escolher os de menor toxidez e mantendo-se o inoculante em contato com estes produtos o menor tempo possível.
8. Preparo do Solo e Plantio
Os principais pontos a serem analisados para a escolha do método de preparo do solo são o grau de compactação do solo, o volume de restos culturais e de invasoras e a fertilidade do perfil do solo comumente explorado pelas raízes. Os métodos de preparo do solo em áreas já cultivadas podem ser classificados em convencional, mínimo e plantio direto.
Para se obter sucesso em uma lavoura é importante reunir todas as condições que favoreçam a planta a expressar todo o seu potencial produtivo. A escolha da área, a qualidade das sementes e a operação de semeadura, especialmente no que se refere à época, à profundidade em que as sementes são colocadas, o espaçamento entre fileiras e o número de sementes por metro, são fatores bastante importantes e devem ser levados em consideração.
O feijoeiro é uma planta com sistema radicular delicado, com sua maior parte concentrada na camada de até 20 cm de profundidade do solo, por isso, deve-se ter um cuidado especial na escolha da área. Solos pesados, compactados, sujeitos a formar crosta na superfície ou ao encharcamento não são adequados para a cultura do feijoeiro, recomendam-se solos friáveis, com boa aeração, de textura areno-argilosa, relativamente profundos e ricos em matéria orgânica e elementos nutritivos.
A semente de boa qualidade permite a formação de lavoura uniforme, maximiza o aproveitamento dos demais insumos utilizados, evita a propagação e diminui as fontes de contaminação de doenças na lavoura, reduz a disseminação de plantas nocivas e a agressividade daquelas já presentes no solo. O seu custo corresponde normalmente de 10 a 20% do custo total da lavoura.
Quanto à semeadura, as épocas recomendadas concentram-se, basicamente, em três períodos, o chamado das "águas", nos meses de setembro a novembro, o da "seca" ou safrinha, de janeiro a março, e o de outono-inverno ou terceira época, nos meses de maio a julho. No plantio de outono-inverno ou terceira época, que só pode ser conduzido em regiões onde o inverno é ameno, sem ocorrência de geadas, como em algumas áreas de São Paulo, Minas Gerais, Goiás e Espírito Santo, o agricultor, via de regra, necessita irrigar a lavoura. Na época da "seca" nem sempre as chuvas são
suficientes durante todo o ciclo da cultura, sendo conveniente, neste caso, complementar com irrigação.
A profundidade de semeadura pode variar conforme o tipo de solo. Em geral recomendam-se de 3-4 cm para solos argilosos ou úmidos e de 5-6 cm para solos arenosos.
A densidade, ou o número de plantas por unidade de área, é resultado da combinação de espaçamento entre fileiras de plantas e número de plantas por metro de fileira. Espaçamentos de 0,40 a 0,60 m entre fileiras e com 10 a 15 plantas por metro, em geral proporcionam os melhores rendimentos.
O gasto de sementes varia em função de diferentes fatores: a) espaçamento entre fileiras, b) número de plantas por metro de fileira, c) massa das sementes, e d) poder germinativo. Portanto, considerando esses fatores, verifica-se que ele normalmente varia numa faixa de 45 a 120 kg por hectare.
9. Cultivos Consorciados
Nos sistemas de consórcio, duas ou mais culturas, com diferentes ciclos e arquiteturas vegetativas, são exploradas concomitantemente no mesmo terreno. Elas não são necessariamente semeadas ao mesmo tempo, mas, durante apreciável parte de seus períodos de desenvolvimento, há uma simultaneidade, forçando uma interação entre elas.
Há diferentes sistemas de consórcio. Nos cultivos mistos, nenhuma das culturas é organizada em fileiras distintas, enquanto nos cultivos intercalares pelo menos uma delas é plantada em fileiras. Nos cultivos em faixa, as culturas são plantadas em faixas suficientemente amplas para permitir o manejo independente de cada cultura, mas bastante estreitas para possibilitar a interação entre elas. Nos cultivos de substituição, uma cultura é plantada depois que a anterior alcançou a fase reprodutiva do crescimento, porém ainda não atingiu o ponto de colheita.
O feijão é preferido nos consórcios culturais pelas seguintes razões: a) é cultura de ciclo vegetativo curto e pouco competitiva; b) pode ser semeado em diferentes épocas; c) é cultura relativamente tolerante com a competição movida pela planta consorte; d) é um dos alimentos básicos do povo brasileiro; e e) seu preço geralmente alcança bons níveis.
No Brasil, esta cultura é consorciada principalmente com milho, mandioca, café, cana-de-açúcar. Também pode ser plantado como cultura secundária no meio de outras
Pomares em formação é um exemplo. Tem sido verificado ainda, que é viável a sua associação com sorgo, girassol e mesmo abacaxi. No Nordeste, os consórcios triplos milho-feijão-algodão e feijão-milho-mamona são empregados.
Em outros países, o feijão é consorciado com a batata. No Brasil isso não ocorre, sendo a cultura da batata geralmente conduzida com alta tecnologia: adubação pesada, tratos fitossanitários e irrigação, práticas que também beneficiariam os cultivos consorciados.
10. Colheita, Trilha, Secagem, Armazenagem e Classificação
A mecanização do feijoeiro, independente do sistema de cultivo empregado, não apresenta maiores problemas nas operações agrícolas realizadas antes da colheita e no beneficiamento dos grãos. São utilizados equipamentos convencionais a outras culturas, como a do arroz, do milho e da soja, para preparo do solo, semeadura, tratos culturais e limpeza e classificação dos grãos. Entretanto, para mecanizar a colheita do feijoeiro diversos fatores relacionados ao sistema de cultivo, à área de plantio e à planta (ocorrência de planta acamada, maturação desuniforme, baixa altura de inserção e fácil deiscência de vagens) têm dificultado o emprego de colhedoras convencionais.
Diversos métodos são usados na colheita do feijoeiro, os quais variam em função do sistema de cultivo, do tipo de planta e do tamanho da lavoura.
Época de Colheita em cada Safra
O arranquio mecanizado das plantas de feijão é pouco utilizado no Brasil, devido ao elevado percentual de perda de grãos provocado por essa operação. Os equipamentos, até então disponibilizados no mercado nacional, eram providos de facão ou de barra giratória que arrancavam as plantas ao trabalharem abaixo da superfície do solo. Recentemente, foi disponibilizado no mercado um equipamento mais eficiente para ceifar as plantas sobre o solo, acionado pelo trator ou pela colhedora convencional.
Com o surgimento de grandes lavouras em monocultivo, a colheita tem sido feita por processos semi-mecanizados (arranquio manual das plantas e trilhamento com recolhedora trilhadora); mecanizado indireto em duas operações (ceifamento das plantas com ceifadora e trilhamento com recolhedora trilhadora) e mecanizado direto em uma operação com colhedora automotriz apropriada.
As colhedoras automotrizes convencionais apresentam desempenho insatisfatório no feijoeiro em relação à perda e à danificação de grãos. Porém, uma melhoria no desempenho dessas máquinas tem sido obtida ao equipá-las com plataformas de corte flexíveis e com mecanismos para diminuir a danificação e a mistura de terra nos grãos.
Para que a ceifadora de plantas ou a recolhedora trilhadora ou a colhedora automotriz tenha desempenho satisfatório, proporcionando baixo percentual de perdas de grãos e boa capacidade de trabalho, é necessária a adoção de diversos procedimentos nas fases de instalação, condução e colheita do feijoeiro. O terreno para a instalação da lavoura deve estar adequadamente preparado para receber as sementes e os adubos. Após o preparo, o solo deve ficar sem valetas, buracos, raízes e plantas daninhas para facilitar o trabalho da colhedora. A semeadura deve ser feita para se obter espaçamentos uniformes entre plantas. Velocidade de operação da semeadora inferior a 6 km/h e o uso de mecanismos apropriados e bem regulados para dosar sementes e adubos e para movimentar o solo contribuem para a melhoria da qualidade do plantio. A lavoura deve ser conduzida para controlar plantas daninhas, doenças ou pragas e ser adubada na época recomendada, de forma a favorecer a colheita. A colheita feita fora de época afeta a produção da lavoura por aumentar a percentagem de perda de grãos. Quando o feijoeiro é deixado por um longo período no campo após a maturação, ocorrem perdas de grãos pela deiscência das vagens, seja natural ou provocada pela operação de arranquio das plantas, principalmente em regiões de clima quente e seco. Retardamento
Grandes Culturas – Professor Fábio de Lima Gurgel na colheita também deprecia os grãos, que ficam expostas por mais tempo ao ataque de pragas. A uniformidade de maturação das plantas e das vagens é um fator de extrema importância para que a colheita seja processada em ótimas condições. Fatores relacionados ao solo, à topografia do terreno, ao ambiente, às práticas culturais, às doenças, à disponibilidade de água para as plantas e ao hábito de crescimento das cultivares causam desuniformidade na maturação do feijoeiro.
Na colheita totalmente manual, as plantas são arrancadas quando o produto atinge teor de umidade na faixa de 30 a 35%. O produto é enfileirado no próprio campo para a secagem ao sol. Quando o produto atinge teor de umidade na faixa de 15 a 20%, é recolhido e colocado sobre terreiros ou lonas, onde é debulhado, geralmente por meio de batedura com varas flexíveis.
Na colheita totalmente mecânica, são utilizadas máquinas arrancadoras e máquinas recolhedoras. As máquinas arrancadoras têm a função de arrancar as plantas e enleirá-las. Após o arranque, o produto é coletado por uma esteira transportadora e depois enleirado por um mecanismo constituído de hastes flexíveis. As máquinas recolhedoras trabalham recolhendo o material de cada linha individualmente, acopladas a um trator. O mecanismo recolhedor é dotado de um rolo dentado que gira recolhendo o produto enleirado, colocando-o sobre uma esteira transportadora. A esteira transportadora é responsável pela alimentação do mecanismo de trilha com o produto. Esse mecanismo geralmente é do tipo axial e o produto é colocado dentro do cilindro trilhador dotado de um rotor. O movimento rotativo desse rotor provoca a debulha, a palha se movimenta no sentido do eixo da máquina, saindo na extremidade oposta à de entrada. O grão trilhado atravessa a peneira do cilindro, sendo depois conduzido ao mecanismo de limpeza. Finalmente, o produto é colocado a granel em um depósito ou destinado a um sistema de ensaque.
A secagem deve ocorrer em duas etapas, isto é, a pré-secagem da planta ao sol e a secagem dos grãos logo após a trilha, para que se tenha um processo mais rápido e energeticamente mais eficiente. No caso do feijão das “águas”, cuja colheita coincide com períodos de chuvas prolongadas, a única alternativa para a secagem das ramas é a secagem artificial com o uso de ar aquecido.

Deve-se lembrar que a secagem da vagem não significa que, em geral, as sementes estejam secas. O ponto de seca da vagem deve ser aquele ideal para a trilha, que corresponde a um teor de umidade da semente em torno de 20%.
Recolhimento e trilha mecanizada no feijão
Conforme a colheita, o beneficiamento do feijão também constitui-se numa operação de grande importância, pois os métodos de colheita não proporcionam um produto final limpo e padronizado em condições de ser comercializado. É necessário que o produto colhido passe por um processo de limpeza para melhorar a pureza, germinação e vigor. O beneficiamento é feito, geralmente, por dois equipamentos principais: a máquina de ar e peneira e a máquina densimétrica que possui mais recursos para separar impurezas de tamanho e densidade próximos da semente. Após o beneficiamento, o feijão armazenado (silos ou armazéns, ensacados), destinado ao plantio ou ao consumo, deve receber tratamentos especiais para evitar sua depreciação.
Quanto à classificação do feijão, a portaria nº 161, de 24 de julho de 1987 alterou a norma de identidade, qualidade, apresentação e embalagem do feijão. A seguir, estão apresentados os defeitos segundo os estágios evolutivos, a intensidade da
ocorrência e de esclarecimento técnico para a uniformidade de critérios no ato de classificação do produto.
Defeitos do feijão Avariados Os grãos inteiros, partidos ou quebrados que se apresentarem mofados, ardidos, amassados, danificados por insetos (picados), brotados, enrugados, manchados, descoloridos, prejudicados por diferentes causas, bem como os partidos (bandinhas) ou quebrados (pedaços) sadios.
Mofados Os grãos inteiros, partidos ou quebrados que apresentarem colônias de fungos (embolorados) visíveis a olho nu. Causa – Falta de ventilação, umidade e calor excessivo, propiciando o aparecimento de fungos. Classificação – Considerar como grão mofado a partir da existência de qualquer ponto de mofo, independente do tamanho ou grau de incidência.
Ardidos Os grãos inteiros partidos ou quebrados, visivelmente fermentados, com alteração na aparência e na estrutura interna. Causa – Umidade e calor excessivos, provocando fermentação. Classificação – No caso de dúvida, verifique se houve alteração na coloração do cotilédone.
Carunchados Os grãos inteiros partidos ou quebrados que se apresentarem prejudicados por carunchos. Causa – perfuração no tegumento e cotilédone provocados por carunchos, na lavoura e no armazém. Classificação – Considerar como carunchado o grão de feijão que apresente orifício provocado por caruncho ou aquele que apresente pequenos óvulos brancos visíveis.
Amassados Os grãos inteiros, partidos ou quebrados, danificados por ação mecânica com rompimento da película. Causa – Danos mecânicos Classificação – Considerar como amassado somente o grão que apresente o cotilédone amassado e com a ruptura do tegumento (casca).

Danificados por outros insetos (picados) Os grãos inteiros, partidos ou quebrados que se apresentarem picados (alfinetados) e/ou deformações acentuadas afetando os cotilédones. Causa – Ocorre pela ação de insetos sugadores na lavoura ou com inoculações de microorganismos, causando deformação. Classificação – Considerar como grão picado somente aquele que apresente uma lesão, seja furo e/ou deformação do cotilédone.
Brotados Os grãos que apresentarem início visível de germinação. Causa – Umidade e calor excessivos. Classificação – Considerar como grão brotado o feijão que apresente a radícula (broto) visível em qualquer fase ou de qualquer tamanho.
Enrugado Os grãos que apresentarem enrugamento acentuado no tegumento e cotilédones. Causa – Ataque de doenças (bactérias), maturação e desenvolvimento fisiológico incompleto. Classificação – Considerar como grão enrugado somente o feijão que apresente os cotilédones e tegumento com enrugamento acentuado.
Manchados Os grãos e pedaços de grãos que apresentarem manchas visíveis em mais de ¼ (um quarto) da película, mas sem alterar a polpa. Causa – Doenças e chuvas causando reações externas no tegumento (cascas) manchando a cor natural. Classificação – Considerar como grão manchado somente se não afetar o grão na parte interna (cotilédone).
Descoloridos Os grãos inteiros, partidos ou quebrados que apresentarem alteração total na cor da película, sem alterar a polpa. Causa – Desenvolvimento fisiológico incompleto, excesso de luminosidade e armazenamento por longo período. Classificação – Não considerar como grão descolorido o feijão que tenha alteração da coloração original por processo de envelhecimento ou secagem, desde que a totalidade dos grãos do lote analisado apresente a mesma cor.

Partidos (Bandinha) Os grãos que, devido ao rompimento da película, se apresentarem divididos em seus cotilédones, desde que se apresentem sadios. Causa – Desregulagem na trilhadeira e na movimentação do produto. Classificação – Considerar somente os grãos que se apresentarem partidos ao meio (separado o cotilédone) sem quebras.
Quebrados (Pedaços) Os grãos quebrados e sadios que não vazarem numa peneira de crivos circulares de cinco milímetros de diâmetro. Causa – Desregulagem na trilhadeira e movimentação do produto. Classificação – Considerar como grãos quebrados , os pedaços de grãos que sejam divididos e que se apresentem com falta de pedaços.
Matérias Estranhas Os grãos e sementes de outras espécies , detritos vegetais e corpos estranhos de qualquer natureza, não oriundos da espécie considerada. Causa – Má condução da lavoura e colheita. Classificação – Considerar as matérias estranhas que ficarem retidas na peneira de crivos circulares de cinco milímetros de diâmetro e aquelas retiradas normalmente da amostra de grãos analisada.
Impurezas Todas as partículas oriundas do feijoeiro , bem como os grãos defeituosos e fragmentos de grãos que vazarem na peneira de crivos circulares de cinco milímetros de diâmetro. Causa – Desregulagem na trilhadeira. Classificação – Considerar as impurezas que vazarem na peneira de cinco milímetros e aquelas retiradas manualmente da amostra de grãos analisada.
Classes De acordo com a coloração da película
Grupo I – Feijão Anão
Branco É o produto com no mínimo 95% dos grãos de coloração branca

Grupo I – Feijão Anão
Preto É o produto, com no mínimo, 95% de grãos de coloração preta.
Grupo I – Feijão Anão
Cores Construído de grãos de mesma coloração, admitindose, no máximo, 5% de outras classes e até 10% de mistura de cultivares da classe cores, desde que apresentem cores constantes ou tamanhos diferentes
Grupo I – Feijão de corda
Brancão É o produto com, no mínimo, 80% de grão de coloração branca.
Grupo I – Feijão de corda
Preto É o produto que contém, no mínimo, 80% dos grãos de coloração preto
Grupo I – Feijão de corda
Cores Constituído de grãos de mesma coloração, admitindose, máximo 5% de mistura de outras classes e até 15% de cultivares da classe cores, desde que apresentem cores contrastantes ou tamanhos diferentes.
Classificação – Considerar como grão da classe cores aquele que apresenta a película (casca) de cor ou rajado ou pintado. Misturado – É o produto que não atende as especificações de nenhuma das classes anteriores
Grupo I – Feijão Anão Tabela de tolerâncias máximas percentuais
Grupo I – Feijão-de-corda (Macaçar) Tabela de tolerâncias máximas percentuais
1. Pragas e Doenças 
Grande parte da produção do feijão brasileiro está ligada a pequenas e médias propriedades, geralmente necessitando do desenvolvimento de tecnologias de baixo custo, como a inoculação, capazes de melhorar os níveis de produtividade dos pequenos agricultores. A inoculação com bactérias do grupo dos rizóbios (bactérias benéficas presentes no solo, as quais são atraídas para as raízes das plantas leguminosas) é uma tecnologia capaz de substituir, pelo menos parcialmente, a adubação nitrogenada resultando em benefícios ao pequeno produtor. Durante muito tempo, o inoculante brasileiro foi produzido com rizóbio de espécies obtidas no exterior. Atualmente, o inoculante comercial para o feijoeiro no Brasil é produzido com uma espécie de rizóbio adaptada aos solos tropicais, resistente a altas temperaturas, acidez do solo e altamente competitiva.




Nenhum comentário:

Postar um comentário

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *