quarta-feira, 2 de setembro de 2015

Pricipais Doenças do Arroz Irrigado e seu Controle



As lavoura brasileira de arroz irrigado são atacadas por várias doenças. Entre elas se destaca a brusone (Pyricularia grisea), cujos danos podem comprometer até 100% da produção de algumas lavouras. 

Neste capitulo será abordado somente as doenças mais comuns e economicamente importante.









Brusone

O agente causal desta doença, Pyricularia grisea (Cooke) Sacc, possui capacidade de infectar várias gramíneas como arroz "vermelho" e "preto", trigo, aveia, azevém, cevada, centeio, capim arroz (Echinochloa spp.), grama boiadeira (Leersia hexandra), Brachiaria mutica, etc. A enfermidade desenvolve rapidamente quando existe condições adequada como: períodos longos de orvalho, nublados e associada as chuvas leves, as quais mantêm a umidade sobre as folhas.

Sintomas


O sintoma mais típico ocorre nas folhas. As lesões possuem um formato alongado, com bordos irregulares, de coloração marrom, com centro grizáceo, onde aparecem as frutificações do fungo. Nos colmos, as lesões são localizadas na região dos nós, com coloração semelhante à observada nas folhas. A infecção no primeiro nó, abaixo da panícula, é conhecida pelo nome de brusone de "pescoço" (Figura 1).


Controle


O emprego cuidadoso do conjunto de práticas de manejo integrado de doenças recomendadas para o cultivo do arroz irrigado, aumenta a resistência das cultivares semeadas e melhora a eficácia dos fungicidas. Entre as medidas recomendadas, destacam-se as seguintes:

- Dimensionamento adequado das fontes de água, canais de irrigação e realizá-la no momento necessário,
- Uso de sementes de boa qualidade fitossanitária,
- Semeaduras na época recomendada,
- Uso cultivares mais resistente ou tolerantes,
- Troca de cultivares suscetíveis a cada 3-4 anos.
- Adubação equilibrada, sem provocar um crescimento vegetativo muito vigoroso das plantas.
- Destruição dos restos de cultura 
- Uso de fungicidas


Escaldadura das folhas

O organismo causador da doença escaldadura é conhecido pelo nome deGerlachia oryzae (Hashioka & Yologi) W. Gams (Gams & Müller, 1980). 


A severidade desta enfermidade no Brasil tem sido agravado nos últimos anos, com uso das cultivares modernas mais suscetíveis e com elevadas adubações nitrogenadas.


Sintomas


As folhas apresentam manchas oblongas (faixas), em sucessão, com a formação típica de áreas concêntricas com coloração mais escura e mais clara, dando um aspecto franjado às lesões (Figura 2). O aumento destas lesões causa a morte da folha afetada. As lavouras atacadas apresentam amarelecimento geral, com as pontas das folhas secas.


Controle


- Evitar o uso de adubação nitrogenada pesada,
- Usar variedades mais resistente ou tolerantes
- Uso de sementes de boa qualidade fitossanitária.


Queima das Bainhas

Nos últimos anos, a queima das bainhas, causado pelo fungo Rhizoctonia solani Kühn, vem aumentando nos Estados do Rio Grande do Sul e Tocantins. A expansão da doença poderá ser decorrência do plantio do arroz irrigado, em rotação com culturas da soja ou pastagens consorciadas de azevém com trevo e da introdução das cultivares modernas suscetibilidade. 


Sintomas

A doença ocorre nas bainhas das folhas e colmos das plantas de arroz. O sintomas são caracterizadas pelas manchas não bem definida, com aspecto de queimado, sobre a qual surgem esclerócios de coloração escura (Figura 3). Nas lavouras, os ataques intensos, formam grandes reboleiras, com morte precoce das plantas, causando uma aparente aceleração da maturação.


Controle


- Destruição dos restos de cultura, drenagem nas áreas durante a entre-safra e uso adubação nitrogenada equilibrada, evitando crescimento vigoroso das plantas.
- controle biológico natural com Trichoderma é muito eficiente. Em algumas situações, tem-se mostrado mais eficiente do que as aplicações de fungicidas com ação sobre R. solani.
- Uso de cultivares tolerante ou resistente.

As manchas-das-glumas


Sintomas

As manchas-das-glumas geralmente ocorrem nas lavouras semeadas em épocas tardias, (dezembro), porém, podem surgir em menor freqüência nas demais épocas. As manchas das glumas estão associadas com mais de um patógeno fúngico ou bacteriano. Os principais patógenos causadores das manchas das glumas são os fungos: Drechslera oryzae, Pyricularia oryza, Alternaria padwickii, Phoma sp., Nigrospora spp, Epicocum spp., Curvularia lunata e Fusarium sp.
Sintomas


As glumas mostram sintomas caracterizados por manchas marrom-avermelhadas ou escurecimento total (Figura 4 ). Em alguns casos as manchas restrigem-se à parte superior ou inferior das glumas e apresentam centro mais claro.


Controle


- No momento, julga-se que as melhores maneiras de controlar esse problema são a semeadura na época adequada e o uso de cultivares mais tolerantes.


Mancha Parda

A doença mancha parda é causada pelo patógeno conhecido pelos nomes deDrechslera oryzae (Breda de Haan) Subr. & Jain, Helminthosporium oryzae(Breda de Haan) e Bipolaris oryzae (Breda de Haan) Shoem.


Em algumas lavouras isoladas, situadas em solos mais arenosos ou degradados, os ataques de mancha parda podem ser mais severos e comprometer a produção e a sanidade dos grãos.


Sintomas


A doença é caracterizada pelo aparecimento de manchas castanho-escuras nas folhas, logo após a floração e, mais tarde, nas glumas e nos grãos. Posteriormente, com manchas maiores, passa a desenvolver-se um centro mais claro, acinzentado (Figura 5). Nos grãos, as glumas apresentam manchas marrom-escuras, que muitas vezes coalescem, cobrindo as glumas.


Controle


O uso de medidas preventivas e de fungicida de espectro de ação ampla para o controle da brusone, também atuam no controle da mancha-parda. 

- Semear cultivares tolerantes
- Tratar as sementes quando for necessário


Podridão do Colmo

A doença podridão do colmo é causada por Sclerotium oryzae Catt., atualmente conhecido de Nakataea sigmoideum (Cav.) Hara.


Nos últimos anos, no Rio Grande do Sul, têm ocorrido na região "Fronteira Oeste" fortes ataques desta doença. Os danos são mais sérios quando esta doença está associado com a queima das bainhas.


Sintomas


Na bainha externa, próxima à linha da água, apresenta uma pequena lesão, irregular, de cor marrom-escuras . Com progresso da doença, a bainha e o caule apodrecem, podendo acamar a planta e tornar as panículas chochas. 
Quando o ataque é parcial, aumenta o número de espiguetas estéreis com floração desuniforme. Nas lesões velhas do entrenó do caule, podem encontrar-se o micélio cinzento-escuro e pequenos esclerócios negros no interior (Figura 6).


Controle 


O controle da podridão do colmo deve se feito da maneira preventiva, evitando a contaminação do solo, drenando as lavouras na entre-safra, usando densidade de sementes adequado e não provocando um crescimento vegetativo excessivo das plantas.


Manchas das Bainhas

A doença, manchas das bainhas, causada pelo fungo Rhizoctonia oryzae Riker & Gooch, foi constatada pela primeira vez em 1967 no Estado de São Paulo e no anos 70, no Rio Grande do Sul, depois da introdução da cultivar Bluebelle.

Sintomas


As manchas são caracterizadas pela forma oval, elíptica ou arredondada, e de coloração cinza-esverdeada. Com sua evolução, podem adquirir centro branco-acinzentado, com bordas marrons bem definidas (Figura 7).


Controle


A doença é transmitida por fungo de solo e por esta razão, devem ser adotado medidas de controle de drenagem do solo na entre-safra e outras já recomendas para a podridão do colmo.


Fig. 1. Sintoma de brusone na folha, nos nó dos colmos e na panícula. Embrapa Clima Temperado, 2002.

Fig. 2. Sintoma da Escaldadura das folhas. Embrapa Clima Temperado, 2002.

Fig. 3. Sintoma de Queima das bainhas. Embrapa Clima Temperado, 2002.

Fig. 4. Sintomas de Manchas de glumas. Embrapa Clima Temperado, 2002.
Fig. 5. Sintoma de Mancha Parda nas folhas. Embrapa Clima Temperado, 2002.
Fig. 6. Sintoma de podridão do colmo. Embrapa Clima Temperado, 2002.
Fig. 7 . Sintoma de mancha das bainhas. Embrapa Clima Temperado, 2002.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *